translationcollective

March 13, 2010

Algumas notas sobre o anarquismo insurrecionário

Filed under: português — translationcollective @ 1:43 pm

O anarquismo insurrecionário não é uma solução ideológica para todos os problemas sociais, um produto no mercado capitalista de ideologias e opiniões, mas uma prática continua visando colocar um fim na dominação do estado e na continuação do capitalismo, o que requer análises e discussões para avançarmos. Não buscamos uma sociedade ideal, nem oferecemos uma imagem utópica para o consumo publico. Através da história, a maioria dos anarquistas, têm sido anarquistas insurrecionários,exceto aqueles que acreditavam que a sociedade poderia se desenvolver ao ponto de o estado ser deixado para traz. De uma maneira mais simples, isto significa que o estado não vai meramente murchar até morte, portanto os anarquistas devem atacar para que o estado seja derrotado; o que é necessário é abrir a revolta e a propagação da subversão entre os explorados e os excluídos.
Neste texto abordaremos algumas implicações que nós e outros anarquistas insurrecionários temos traçado a partir deste problema em geral: se o estado não vai desaperecer por sí próprio, como é que acabaremos com a sua existência? Isto é, portanto, primariamente uma prática, e enfoque na organização do ataque. Estas notas de manira alguma é um produto final e fechado; esperamos que sejam uma parte de uma contínua discussão.
A maioria destas notas foram tiradas das antigas edições da revista Insurrection e panfletos da Elephant Editions.

1- O ESTADO NÃO VAI SIMPLESMENTE DESAPARECER: ATAQUE

– O estado não vai ” definhar até o fim”, como parece ser o que muitos anarquistas tem vindo a acreditar –  e não apenas defendido em posições abstratas de “espera”, mas alguns abertamente condenando os atos daqueles para quem a criação de um mundo novo depende da destruição do velho. O ataque é a recusa da mediação, da pacificação, do sacrifício, da acomodação e da conseção.

-É atravez da ação e do aprender a agir, e não da propaganda, que nós iremos abrir caminho para a insurreição, apesar da propaganda ter um importante papel de guia em clarificar modos de agir. Esperar apenas ensina esperar; em ação aprende-se a agir.

– A força de uma insurreição é social, e não militar. A proporção de avaliar a importância de uma revolta generalizada não é o choque armado, mas no oposto da amplitude da paralisia da economia, da normalidade.

2- AUTO-ATIVIDADE versus revolta controlada: da insurreição a rervolução

– Como anarquistas, a revolução é o nosso constante ponto de referência. Mas revolução não é um mito simplesmente para ser usado como um ponto de referência. Precisamente porque revolução é um evento concreto, que deve ser construido diariamente através dos muitos esforços modestos, o que não tem todas as características libertadoras de uma revolução social em seu real sentido. Estes numerosos esforços modestos  são insurreições. Desta forma, as revoltas da maior parte dos explorados e excluidos da sociedade e as mínorias sensibilizadas políticamente abre o caminho para um possível envolvimento de uma crescente diversificação das camadas de explorados gerando um fluxo de rebelião que pode levar a revolução.

– As lutas devem ser desenvolvidas, tanto em termos intermediários quanto a longo prazo. Estratégias claras são necessárias para possibilitar diferentes métodos a serem usados de um modo coordenado e frutífero.

– Ação autonoma: a auto-organização de uma luta significa que aqueles que lutam são autonomos em suas decisões e ações; isto é, o oposto de uma organização de sinteses, as quais sempre tentam tomar o controle da luta.
Lutas que são sintetizadas numa organização unificada são facilmente integradas a estrutura do poder da presente sociedade. Lutas auto-organizadas são por natureza incontroláveis quando são difundidas através do terreno social.

3- INCONTROLABILIDADE versus revolta conduzida ou controlada: a propagação do ataque

– Nunca é possível ver a consequência de um determinado conflito em progresso. Mesmo um conflito pequeno pode ter as mais inesperadas consequências. A transição de varias insurreições – limitadas e restritas – para a revolução, nunca pode ser garantida de antemão em seu proceesso, por nenhum método.

– O que o sistema teme, não é atos de sabotagem por sí próprios, é como esses atos se propagam socialmente. Todo indivíduo proletarizado que dispõe dos mais modestos meios pode desenvolver seus próprios objetivos, sozinho ou juntamento com outros. É materialmente impossível para o estado e o capital policiar os aparatos de controle que operam por todo o território social. Qualquer um que realmente queira contestar a rede de controle pode fazer sua própria contribuição teórica e prática. O aparecimento da primeira corrente quebrada coincide com a propagação dos atos de sabotagem. As práticas anônimas da auto libertação social pode se espalhar por todo o campo, quebrando os códigos de prevenção colocados pelo poder.

– Pequenas ações, consequêntemente, facilmente reproduzidas, requer meios não sofisticados que são acessíveis a todos, são pela sua grande simplicidade e espontâneidade, incontroláveis. Tais ações ridicularizam qualquer avançada tecnologia desenvolvida para a contra-insurgência.

4-CONFLITO PERMANENTE versus mediação com forças institucionais

– A conflutualidade deve ser vista como um elemento permanente na luta contra o poder. Uma luta que carece deste elemento acaba nos empurrando para próximo da mediação com as instituições, acostumadas aos habitos de delegar e acreditar numa ilusória emancipação via decreto parlamentar, ao ponto de participarem ativamente na exploração de nós mesmos.

– Talvez hajam razões individuais para se questionar sobre a tentativa de alcançar nossos objetivos por meios violentos. Mas quando a não violência vem a ser elevada ao nível de um pricípio inviolável, e quando a realidade é dividida em “bons” e “maus”, seus argumentos deixam de ter valor, e tudo é visto em termos de submissão e obediência. Os dirigentes do movimento anti-globalização, através do distanciamento e na denuncia de outros, tem deixado claro uma questão: que eles vem seus princípios – o qual se sentem obrigados – como uma justificativa de poder sobre o movimento como um todo.

5-ILEGALIDADE; insurreição não é meramente roubar bancos

– O anarquismo insurrecionário não é uma ética de sobrevivência: nós todos sobrevivemos de várias maneiras, frequentemente em acordos com o capital, dependendo de nossas posições sociais , nossos talentos e aptidões. Certamente não somos moralmente contra o uso de meios ilegais para nos libertar das correntes do escravismo assalariado afim de viver e conduzir nossos próprios projetos, contudo nós tambem não adoramos o ilegalismo ou o revertemos em algum tipo de religião com martires; isto é apenas um meio, e muitas vezes útil.

6- ORGANIZAÇÃO INFORMAL; sem revolucionários ou ativistas profiisionais, sem organizações permanetes.

Dos partidos/sindicatos para a auto-organizações:

– Existe profundas diferenças no movimento revolucionário: a tendência anarquista em direção a qualidade da luta e da sua auto-organização e a tendência autoritária em direção a quantidade e a centralização.

– Organização é necessária para tarefas concretas: portanto somos contra partidos, sindicatos e organizações permanentes, tudo que sintetiza a luta e se torna um elemento de integração para o estado e o capital.  Seus propósitos vem a ser a sua própria existência, no pior dos casos, primeiro constróem a organização, então procuram ou criam um luta. Nosso tarefa é agir; organização é um meio. Portanto somos contra a delegação de ações ou práticas para uma organização: precisamos generalizar ações que levam a insurreição, nada de lutas controladas. Organizações não devem servir para defender certos interesses, mas sim para atacar certos interesses.

– Organizações informais são baseadas num número de camaradas ligados por uma afinidade em comum; seu elemento propulsivo é sempre a ação. Quanto maior a amplitude e variações de problemas que tais camaradas vão enfrentar como um todo, maior a afinidade será. Isto resulta que a real organização, a efetiva capacidade de agir juntos, conhecendo onde achar um ao outro, o estudo e a análise de problemas juntos, e a passagem para a ação, tudo toma lugar em relação a afinidade estendida e em como não há nada a se fazer com progamas, plataformas, bandeiras ou partidos mais ou menos camuflados. A organização anarquista informal é portanto uma organização singular que se aglutina em torno de uma afinidade comum.

A minoria anarquista e os explorados e excluidos

– Nós somos os explorados e excluídos, e dessa maneira nossa tarefa é agir. Ainda que alguem critíque que toda ação não é parte do amplo e visível movimento social, como “atividade em nome do proletariado”. Seus conselhos são analisar e esperar, no lugar de atuar. Supostamente, nós não somos explorados juntamente com o explorados; nossos desejos, nossa raiva, e nossa fraqueza não são parte da luta de classes. Isto não é mais do que outra separação ideológica entre os explorados e os subversivos.

– A minoria anarquista ativa não é escrava dos números, mas continua atuando contra o poder mesmo quando o conflito de classes se encontra em menor escala entre os explorados da sociedade. A ação anarquista não deve consequentemente aspirar a organizar e defender o conjunto da classe explorada em uma ampla organização para cuidar da batalha do começo ao fim, mas deve identificar aspectos individuais da luta e consideralos em suas conclusões de ataque. Devemos também nos distanciar da imagem estereotipada das grandes lutas de massas e do conceito de um crescimento infinito de um movimento que esta para dominar e controlar tudo.

– A relação com a multidão de explorados e excluidos não pode ser estruturada como algo que deva resistir com o passar do tempo, ou seja, nao deve se basear no crescimento sem fim e na resistência contra o ataque dos exploradores. Esta relação deve ter uma dimesão específica mais reduzida, uma relação que seja decididamente de ataque e não de defesa.

– Podemos construir nossa luta de tal maneira que as condições de revolta possam emergir e o conflito latente possa se desenvolver e se conduzir adiante. Desta maneira se estabelece um contato entre a minoria anarquista e a situação especifica onde a luta pode ser desenvolvida.

7. O INDIVIDUAL E  O SOCIAL: Individualismo e comunismo, um falso problema

–  Abraçamos o melhor do individualismo e o melhor do comunismo.

–  A insurreição começa com o desejo dos indivíduos em romper com as circuntâncias coagidas e controladas, o desejo de reapropriar a capacidade de criar sua própria vida como acreditamos ser adequada. Isto requer que superem a separação entre eles e suas condições de existência.
Onde alguns poucos, privilegiados, controlem as condições de existência, não será possivel para a maioria dos indivíduos decidir realmente sua existência baseados nas suas decisões. A individualidade só podera florescer quando o igual acesso as condições de existência seja uma realidade social. Esta igualdade de acesso é o comunismo; o que os indivíduos fazem com este acesso está limitado por eles mesmos e por aqueles que os rodeiam. De tal maneira que não exista igualdade ou identidade de individuos unerente a um real comunismo. O que nos força a buscar uma identidade ou a igualdade são os papéis sociais impostos pelo sistema atual. Não existe contradição entre individualidade e comunismo.

8. NÓS SOMOS OS EXPLORADOS, nós somos a contradição, não há tempo para esperar.

– Certamente o capitalismo contém profundas contradições que o empurram em direção a processos de ajustamentos e evolução direcionados a evitar as crises periódicas que afligem o capital; mas não podemos permanecer passivos na espera dessas crises. Quando elas acontecerem elas serão bem-vindas se favorecerem o aceleramento de elementos que levam ao processo insurrecional. De qualquer maneira, como explorados, somos a contradição fundamental do capitalismo. Portanto, qualquer momento é sempre o momento perfeito para a insurreição, precisamente por este motivo, podemos notar que a humanidade poderia ter acabado com a existência do estado em qualquer momento da história.
Uma ruptura na contínua reprodução deste sistema de exploração e opressão sempre é possível.

Einige Notizen zu aufständischem Anarchismus

Notes sur l’anarchisme insurrectionnaliste

Algunas Notas sobre Anarquismo Insurreccional

Some notes on Insurrectionary Anarchism

Advertisements

Leave a Comment »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: